Domingo
26 de Maio de 2019 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Notícias

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 4,03 4,03
EURO 4,51 4,52

Poupadores fizeram acordos para reaver perdas da poupança

Inimiga do parcelamento nas compras e preocupada com o futuro, a arquiteta aposentada Olivia Maria Novaes mantinha 30 cadernetas de poupança em 16 bancos na década de 1980, numa época em que o rendimento dessas contas era diário. Assim, ela pagava o supermercado e todas as despesas pessoais, podendo ainda fazer uma economia. Só não contava com o impacto causado pelo congelamento na poupança causado pelos Planos Bresser (1987), Verão (1989) e Collor (1991). Na batalha travada na Justiça para reaver parte das suas perdas, Olívia conseguiu uma vitória com o acordo firmado com o Banco Itaú durante a realização do mutirão (de 6/5 a 10/5) promovido pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro e o Conselho Nacional de Justiça (CNJ). "Nota mil essa iniciativa do tribunal. Eu tinha contas na Caixa Econômica, Santander/ Banespa, Banerj/Itaú, Nacional/Itaú/ Bamerindus, Bemge e muitos outros bancos. De repente, com o congelamento, somente podia retirar até R$ 50 mil cruzeiros, que foi o limite autorizado pelo governo", contou Olívia. Durante esses anos, a arquiteta tem sido persistente em sua luta e conseguiu o resgate de parte dos valores. Segundo a advogada Daniela Naddaf, a instauração dessas ações foi facilitada pela excentricidade de Olívia em manter um arquivo da maioria dos extratos bancários, desde a primeira caderneta. Essa atitude peculiar facilitou a instrução dos processos. Olívia se negou a revelar o valor acordado com os representantes do Banco Itaú, mas sabe o destino que vai dar ao dinheiro: "Vou depositar numa caderneta de poupança", disse a poupadora. Mutirão O “Programa Resolve – Projeto: Expurgos Inflacionários nas Contas de Poupança” foi proposto pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) com abrangência nacional a todos os tribunais de Justiça, em conjunto com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban). A iniciativa começou na segunda-feira passada (06/05) e no TJRJ, o mutirão foi realizado no Centro Judiciário de Solução de Conflitos (Cejusc) - capital, localizado no Beco da Música, 121, Lâmina V, Térreo, Sala T03-Praça XV – Centro. Os antigos poupadores foram convidados pelos bancos Itaú e Bradesco para fazer os acordos com a vantagem de receber os valores acertados de uma única vez no prazo de até 15 dias. No entanto, o que chamou a atenção no mutirão foi o comparecimento de pessoas que nem estavam relacionadas. Mais de 50% dos atendimentos foram feitos com clientes extra pauta, interessados em fechar os acordos e que procuraram o Cejusc atraídos pela pulgação do mutirão. Muitas dessas pessoas estavam cansadas de aguardar o desfecho das suas ações. O avô da advogada Luciana das Dores morreu aos 99 anos, sem ter visto chegar ao fim a ação de 11 anos para reaver os valores retidos com a instituição dos planos econômicos. A neta, que assumiu a causa após ter se formado em Direito, conta que o avô Eduardo faleceu o ano passado, repetindo a história da caderneta de poupança. O valor acertado no acordo com o Itaú será pidido por dois filhos e dois netos do antigo poupador. Depois de 14 anos, o aposentado Antonio Lopes Sobrinho também viu o final da saga pelos valores retidos na vigência do Plano Verão. Ele saiu satisfeito da sala de mediação do Cejusc, onde acabara de assinar o fechamento do acordo e recuperar parte do dinheiro de uma antiga caderneta do Banerj. "Vou usar esse dinheiro para visitar a minha mãe, lá no Ceará", disse ele. A advogada Nina Carvalho, que o representou na ação, contou que ele deverá receber o dinheiro no prazo de 15 dias. Importância da Mediação Para o presidente do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (Nupemec), desembargador Cesar Cury, os mutirões que reunindo consumidores e empresas para numa autocomposição do conflito mediação oferecem vantagens para os dois lados e, principalmente, para o Judiciário. “As agendas concentradas proporciona maior aproximação entre o cidadão e o judiciário, o que permite mútuo conhecimento e impressões que podem melhorar o sistema de justiça e a utilização que dele faz a sociedade. Nas agendas concentradas , as empresas retomam o exercício de sua parcela de responsabilidade que resulta de suas atividades, interagindo com cidadão a respeito de sua relação e dos problemas dela decorrentes. Isso também permite uma troca de informações e conhecimentos que pode resultar em melhorias na prestação do serviço e no atendimento, gerando uma mútua confiança que implica na prevenção dos conflitos e em sua solução consensual. O resultado é a redução da judicialização e a mudança gradual dessa cultura pela da consensualidade”.
15/05/2019 (00:00)
Visitas no site:  55490
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.